JUNHO 19

Mês frio das tradicionais festas juninas, este ano deve ter calor acima da media em grande parte do país. Produtividades de plantas de inverno afetadas de forma imprevisível.

 
 ENTREGA PRÊMIO
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(ra)
:: A conquista do Cerrado
Fernando Penteado Cardoso - Eng.Agr.Sênior, produtor, presidente da "Fundação Agrisus - Agricultura Sustentável"
Até os anos 50 os estudos sobre o cerrado se limitavam a avaliações botânicas e a alguns experimentos em 7 Lagoas/MG, que mostravam a extrema deficiência de cálcio e a resposta a fósforo, que aumentava a produção, mas em níveis muito aquém das colheitas em terra virgem de mata alta.

Feuer, da Universidade de Cornell-EU, a serviço de firma de consultoria contratada pelo engenheiro agrônomo Bernardo Sayão para avaliar os solos da região da nova capital Brasília, estudou os aspectos geológicos e pedológicos das terras fracas do Brasil Central, vindo a prever seu aproveitamento para agricultura.

Todavia, quem pela primeira vez comprovou que tais solos poderiam vir a proporcionar altas produtividades, foi a equipe do IRI, da organização Rockefeller, em Matão S/P. Estudavam a recuperação das terras esgotadas de cafezais decadentes, primitivamente muito férteis de mata alta, mas encontravam dificuldade em reproduzir as colheitas anteriores. Seja pelo relacionamento com Feuer, seja por criatividade científica, o pesquisador Collin McClung, devidamente apoiado pelo Diretor do IRI Jerome Harrington, iniciou em 1955, uma série de experimentos em vasos, com terra pobre de cerrado, tratando-as com N, K, P, Ca, Mg, S e micro-elementos com ênfase para o Zn.

As respostas obtidas foram tão animadoras que deram origem a uma série de testes de validação em escala semicomercial em fazendas localizadas em Matão, Pirassununga e Morro Agudo, utilizando como indicadores o algodão, o milho e a soja. Nessa fase muito colaborou o IAC-Instituto Agronômicode Campinas, que, por sua vez, estava estudando a cultura de café em terra de cerrado na região de Batatais/SP.

Os resultados publicados em 1956 e 58, representam sem dúvida a primeira comprovação de que as terras dos cerrados poderiam ser convertidas em solos agricultáveis de alta produtividade. Seguiu-se um período de abertura do cerrado com cultivo de arroz, devidamente adubado com P. Era uma cultura itinerante, substituída por Brachiaria quando a terra se tornava praguejada de ervas daninhas.

Na década de 70 chegaram os gaúchos à procura de terras baratas para plantar soja.Tinham já com alguma prática de solos fracos de campo nativo devidamente calcariados. Irradiando-se a partir de MS, invadiram o Centro-Oeste e transformaram o país na grande potência agrícola de hoje. Esse inquestionável sucesso deve-se também à variedade da soja "Cristalina" com bons resultados no cerrado, melhorada pelo modesto agrônomo Francisco Teresawa, em Ponta Grossa/PR e aos programas do PROCER e semelhantes, de iniciativa de outro agrônomo Allison Paulinelli, então jovem e dinâmico Ministro da Agricultura do Governo Geisel.

Alguns anos atrás, o laureado Norman Borlaug sureriu-me que indicasse nomes para O Prêmio Mundial do Alimento, equivalente a um Prêmio Nobel para Agricultura (que não existe), em reconhecimento ao fenômeno "cerrado/ soja/ plantio direto", considerado por ele como o maior acontecimente agrícola do século XX. Após consultas, foram apresentados três nomes para partilharem do World Food Prize : McClung, Terasawa e Paulinelli. Infelizmente, por motivos regulamentares, a honraria foi para terceiros, sem prejuízo do mérito desses três técnicos, que devem ser lembrados no Dia do Agrônomo recém comemorado a 12 de Outubro.

Os 15 milhões de ha de solos naturalmente fracos, de cerrado e campo nativo, transformados em terras férteis agricultáveis, estão indelevelmente ligados à pesquisa agronômica de Collin e de Francisco, à visão econômica de Állison e à garra empresarial dos gaúchos.

A eles, por representarem a classe agronômica e agrícola, nosso preito de admiração e de reconhecimento.
(ra)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br