MARÇO 2019

Colheita da soja avança para o final e milho segunda safra consolida plantio. Chuvas e calor recuperam desempenho de cultivos perenes.

 
 CARTILHA SPD
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(mla)
:: ARTIGO Nº14: RESULTADOS DO PLANTIO DIRETO E ILP NA FAZENDA YBETE PORÃ
João Kluthcouski
UM CASO DE MUITO SUCESSO NA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NUMA REGIÃO ONDE A TRADIÇÃO TEM SIDO O INSUCESSO

Em recente visita à região de Presidente Prudente, atendendo convite do Professor Edemar Moro da Universidade do Oeste Paulista – UNOESTE – emocione-me ao conhecer um Oasis em termos de produção agropecuária, baseado num diferenciado Sistema Integração Lavoura – Pecuária (ILP) na Fazenda Ybyete Porã, localizada no município de Rancharia, distante cerca de 70 km de Presidente Prudente.

Trata-se de uma verdadeira revolução em termos de sistema de produção em solos arenosos e que está sendo aplicado com sucesso por cerca de dez anos na propriedade, num dos mais complexos solos para a produção agropecuária, conhecidos como argissolo1, com cerca de 8% de argila no horizonte superficial. Além de ótimas produtividades obtidas, os veranicos pouco tem influenciado nas produtividades da lavoura e do pasto nessa propriedade.

O modelo de ILP utilizado na propriedade baseia-se na rotação envolvendo dois anos soja e dois anos pastagem, sendo que após o primeiro ano de soja é semeado milheto na safrinha com duplo objetivo – pastejo no período seco e fonte de cobertura do solo para o segundo cultivo de soja. As principais forrageiras perenes utilizadas são as braquiárias Marandu e MG 5 e o Mombaça. Após o segundo ano de soja, a forrageira perene é semeada na safrinha.

Um fato extremamente marcante é que, apesar da ocorrência de declividade de até 7% na propriedade, não existem curvas de nível e não ocorre erosão hídrica, isso por que todos os cultivos são feitos no Sistema Plantio Direto basicamente em palhada de braquiária, tanzânia ou mombaça.

A produtividade de soja, além de estável ao longo dos anos, tem sido crescente e muito animadora. Na melhor das safras foram obtidos cerca de 72 scs/ha (170 scs/alq) e em alguns talhões obteve-se até 74 scs/ha (180 scs/alq) . Em contrapartida, no pior dos anos  em termos de ocorrência de veranico, durante os últimos 10 anos, enquanto na região foram colhidos não mais que 30 scs/ha, na Fazenda Ybyete Porá obteve-se 48 scs/ha.

Na produção pecuária os ganhos são ainda mais surpreendentes. A fazenda utiliza o sistema de recria e engorda a pasto, predominando a raça Nelore. São adquiridos bezerros recém-desmamados e em 18 meses esses animais são abatidos com média de 20 arrobas, significando que a idade de abate gira em torno de 24-26 meses, isso tudo apenas com o fornecimento sal comum no cocho. É importante destacar que nessa região, em média, os animais são abatidos com mais de quatro anos e, mais preocupante que isso é a mortalidade de animais adultos observada na pecuária tradicional da região, principalmente no período de entressafra, que é mais de 5%.

A lotação animal  na propriedade é, em média, de duas Unidades Animal (UA) por hectare, porém, em certas épocas os pastos comportam mais de seis animais por hectare no período seco, com ganho de peso de 1 kg/animal/dia.
Sistema de produção como esse, baseado na rotação soja-pasto, com certeza, será determinante para a sustentabilidade da produção agropecuária em cerca de sete milhões de hectares no estado de São Paulo e de dois milhões de hectares no Paraná. Na região dos Cerrados este tipo de solo predomina em mais de 30 milhões de hectares, principalmente nos estados de Goiás, Bahia e Tocantins (nesses estados parte dos solos arenosos não possuem o horizonte B textural, sendo classificados como Neossolos) .

POR QUE É MUITO IMPORTANTE CONHECER E ENTENDER ESSE SISTEMA DE PRODUÇÃO?

- São necessários anos de pesquisa para se obter um sistema de produção semelhante a esse na condição de solos arenosos;

- O modelo está pronto para ser transferido e pode ser melhorado ainda mais. É preciso apenas descodificar os efeitos benéficos no solo e ao meio ambiente e, para isso, a UNOESTE oferece 53 cursos, contemplando todos aqueles relacionados à agropecuária e conta, ainda, com 13 mil alunos, entre graduandos e pós-graduandos;

- É possível implantar/adaptar esse modelo em muitas outras regiões do país;

- Os riscos climáticos são muito reduzidos. Além disso, o sistema é muito importante do ponto de vista ambiental, pois protege plenamente o solo contra erosão e tem promovido aumento da vazão dos mananciais hídricos;

- As produtividades de grãos e pecuária são comparáveis àquelas obtidas nas regiões mais desenvolvidas do país em termos agropecuários;

- No estado de São Paulo existem cerca de sete milhões de hectares de pastagens degradadas e não existe tradição em ILP, tão pouco dispõe de outras técnicas economicamente viáveis capazes de reverter esse processo o qual tem se agravado com o passar dos anos. Além disso, o Sistema Plantio Direto não é muito utilizado no estado de São Paulo e menos ainda nesse tipo de solo;

- O proprietário é Engenheiro Agrônomo da CATI, o que pode facilitar sobremaneira a transferência dessa tecnologia bem como a realização de eventos na propriedade;

- Por influência dessa propriedade alguns pequenos produtores já estão utilizando esse sistema em suas propriedades, totalizando na região cerca de 900 hectares; entre outros.

(mla)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br