JUNHO 19

Mês frio das tradicionais festas juninas, este ano deve ter calor acima da media em grande parte do país. Produtividades de plantas de inverno afetadas de forma imprevisível.

 
 ENTREGA PRÊMIO
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(mla)
:: PESQUISADORES DO PARANÁ FAZEM ESTUDO SOBRE ILP NA REGIÃO DO ARENITO CAIUÁ
Jonez Fidalski e Sérgio José Alves - fidalski@iapar.br
Uma das conclusões é que a altura de corte da braquiária ruziziensis não deve ser inferior a 23 centímetros nos sistemas de produção que integram bovinocultura de corte e soja em plantio direto.

Cerca de 3,2 milhões de hectares ou 16% da área total paranaense são originários do Arenito Caiuá, a maior deles explorados para a pecuária de corte e ocupados com pastagens de baixa produtividade, segundo Fidalski, citado pela Agência de Notícias do Paraná.

Os solos do arenito são frágeis, suscetíveis à perda de nutrientes, matéria orgânica e à erosão. Há décadas pesquisadores e pecuaristas buscam alternativas para reforma de pastagens degradadas e sistemas de rotação de culturas em plantio direto para a região.

Mais recentemente, os estudos apontam para a integração lavoura-pecuária. Nesse sistema, a sucessão de soja em plantio direto na primavera e verão e pastagem no outono e inverno melhora a qualidade química e física dos solos do arenito. “É uma boa opção de manejo conservacionista para a região”, conclui o pesquisador.

O projeto terá prosseguimento com a avaliação da braquiária brizanta, outra espécie de pastagem muito utilizada pelos pecuaristas do noroeste paranaense.

A região do Arenito Caiuá é objeto de várias pesquisas com apoio da Fundação Agrisus, desde 2004, com projetos conduzidos pelo engenheiro agrônomo Fernando Ribeiro Sichieri. Para ler a íntegra do artigo da Revista Brasileira de Ciência do Solo, "Altura de Pastejo de Braquiária e Carga Animal Limitada pelos Atributos Físicos do Solo em Sistema Integração Lavoura-Pecuária com Soja," clique aqui

(mla)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br