JANEIRO 2019

Soja e outras plantas de verão em pleno crescimento.
Citros, café e cana de açúcar enfrentando limitações do clima.

 
 LANÇAMENTO BIOGRAFIA
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(ro)
:: O conceito de agricultura sustentável
Fernando Penteado Cardoso, engenheiro agrônomo sênior, é presidente da Fundação Agrisus
As palavras sustentável e sustentabilidade estão na moda. São empregadas a torto e a direito, nem sempre adequadamente, respeitando-se seu sentido e significado.

Sustentável, dizem os dicionários, significa “que se sustenta”, quer dizer: que persiste, que dura, que permanece, que continua, que é permanente, que se perpetua. Sustentabilidade seria então uma condição da coisa ou do ato que seja sustentável.

Agricultura sustentável, obedecida a conceituação acima, é a atividade agrícola ou pecuária, que apresenta uma situação de continuidade, sem que fatores negativos comprometam sua perpetuidade.

Para que uma atividade rural seja estável e permanente, algumas condições, dentre outras, devem estar presentes e serem favoráveis, alem de constantes:

# Clima: As flutuações climáticas, diferentes das oscilações regulares, podem desestabilizar a atividade rural comprometendo sua continuidade. Sendo o homem impotente quanto ao frio ou calor, chuvas ou seca, pouca ou muita insolação, os procedimentos de trabalho devem se adaptar às condições climáticas existentes. As variações destas, se anormais, podem vir a prejudicar a interromper o ritmo da produção.

# Lucratividade: É uma condição básica óbvia, pois, sem equilíbrio econômico, sem um fluxo de caixa com saldo positivo, torna-se impossível a estabilidade do produtor.

# Fertilidade: A estabilidade do solo assegurada por proteção adequada contra a erosão, a manutenção de suas qualidades físicas apropriadas à penetração da água, do ar e das raízes, - seja uma boa porosidade -, são condições da maior importância para uma agricultura permanente. Faz parte de um pacote tecnológico evolutivo, cobrindo todas as fases da produção.

# Insumos e equipamentos: É indispensável que estejam disponíveis com qualidade adequada, a tempo e a hora, a preços conciliáveis com o valor da produção, conjugados à assistência técnica, aos serviços de manutenção e ao financiamento.

# Energia: A disponibilidade de combustíveis para veículos, motores e calefação, bem como a energia elétrica deve estar assegurada nas qualidades e preços que sejam compatíveis com custos competitivos.

# Infra-estrutura rural: As vias de acesso e os meios de comunicação são importantes tanto para o escoamento da produção e recebimento de insumos, como para o deslocamento das pessoas envolvidas, além dos seus contactos gerenciais ou sociais.

# Mercado consumidor: Nada adianta produzir se não existirem compradores para a produção. É condição básica da viabilidade da atividade agrícola.

# Equilíbrio social: Tanto dos residentes como dos habitantes na comunidade, estabelecendo-se um ambiente de paz e trabalho, sem as agitações e temores de invasões e de outros comportamentos contrários à lei.

# Organização comunitária: que proporcione bom convívio social dos residentes e lhes ofereça uma situação de satisfação no ato de viver, evitando a tendência de ir morar na cidade, seja para contacto humano, seja para dispor de facilidades de lazer.

# Serviços públicos : Além dos de infra-estrutura, são fundamentais àqueles relacionados à educação, à saúde, à segurança e à justiça, para oferecer estímulos à continuidade e a evolução tanto do trabalho como do simples ato de sobrevivência.

A análise acima, ainda que incompleta, dá uma idéia da complexidade e da extensão de conceitos quando se pretende analisar os fatores que asseguram a estabilidade e a perpetuidade da produção rural, seja a sustentabilidade da agricultura. O clima favorável, a fertilidade do solo e a tecnologia agrícola são indispensáveis: mas não bastam.
(ro)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br