MARÇO 2019

Colheita da soja avança para o final e milho segunda safra consolida plantio. Chuvas e calor recuperam desempenho de cultivos perenes.

 
 CARTILHA SPD
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(cv)
:: AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PLANTIO DIRETO NA AUSTRÁLIA
Agtrans Research
O artigo “Avaliação de Impacto: Uma Análise Econômica do Investimento da GRDC para a Associação do Plantio Direto na Austrália-Oeste" está disponível na versão original em inglês. O projeto teve apoio da GRDC - Companhia para Pesquisa e Desenvolvimento de Cereais e publicado na Agtrans Research
Para fazer o download do arquivo em pdf, Clique aqui

Se preferir, leia abaixo a tradução:

Avaliação de Impacto: Uma Analise Econômica do Investimento da GRDC* para a Associação do Plantio Direto na Austrália - Oeste.


Uma analise econômica independente sobre o investimento da Empresa de Pesquisa & Desenvolvimento para Cereais - GRDC* em pesquisa agrícola do plantio direto, concluiu que o investimento de $4 milhões (dls Aus.) feito pela Empresa resultou em $141 milhões em benefícios para a produção de grãos: uma relação custo benefício de 36 para um. Essa foi a conclusão da revisão do levantamento dos programas de extensão e pesquisa de iniciativa da Associação dos Produtores em Plantio Direto da Austrália-Oeste. Outros benéficos são enumerados.

Produtividade e Lucratividade do Sistema de Plantio Direto

A prazo curto

• Melhoria do armazenamento da umidade do solo decorrente da reduzida perturbação do solo e da melhor cobertura da terra, levando a colheitas mais elevadas em alguns anos.
• Possibilidade de cultivar nos anos secos quando, de outra forma, seria impossível.
• Acréscimo de lucratividade da produção em conseqüência de colheitas mais altas em média, com redução ou acréscimos mínimos dos custos operacionais.
• Probabilidade de maiores colheitas/menores perdas/custos reduzidos devido ao melhor controle de pragas e moléstias.
• Maior assimilação das tecnologias do plantio direto na Austrália - Oeste bem como em outras regiões agrícolas do país.

A longo prazo • Maiores safras decorrentes da estrutura melhorada do solo e do conteúdo mais elevado de carbono orgânico no solo.
• Possibilidade de maiores contribuições de nitrogênio das leguminosas de cobertura.
• Possibilidade de melhor controle das invasoras e das pragas e de melhor proteção do solo pelo uso de plantas de cobertura.
• Sistemas agrícolas mais robustos capazes de enfrentar mudanças climáticas.
• Possibilidade de rendas mais elevadas de mercado para os cereais produzidos com melhores práticas de manejo em relação ao ambiente.

Ambientais• Erosão reduzida do solo e do vento pelo menor prepara e maior proteção do solo, resultando em sistemas agrícolas mais sustentáveis e em água de melhor qualidade nos córregos.
• Redução do nível de uso de produtos químicos para controle das pragas e menor exportação de destes produtos para fora das fazendas.
• Poluição reduzida do ar pela menor queima de restolhos e por menos poeira.
• Atividade biológica e incentivada do solo e níveis mais elevados de matéria orgânica.

Sociais• Impacto reduzido da fumaça sobre a qualidade do ar nas regiões agrícolas.
• Aumento da capacidade produtiva, comunitária e de pesquisa através do envolvimento de estudantes.
• Melhoria da infra-estrutura do Plantio Direto na Austrália - Oeste e nos paises de alem mar.

Fonte: www.grdc.com.au

*GRDC-Grains Research & Development Corporation- (Governamental)



(cv)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br