JUNHO 19

Mês frio das tradicionais festas juninas, este ano deve ter calor acima da media em grande parte do país. Produtividades de plantas de inverno afetadas de forma imprevisível.

 
 ENTREGA PRÊMIO
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(cv)
:: HOMENAGEM A NORMAN BORLAUG
Noel Vietmeyer - Autor da biografia “Borlaug-The mild mannered Maverick who fed a billion people”
Um dia antes deste livro (**) ir para o prelo, Norman Borlaug morreu. Depois de mais que uma década avaliando o homem, bem como suas contribuições, é com tristeza que submeto estes últimos pensamentos.
A vida de Norman Borlaug é admirável pela suas dimensões incalculáveis.

Mais que um homem da paz, ele foi um homem do povo. Todos eram seus amigos pela sua atitude franca e direta de relacionamento. Seu estilo e personalidade refletiam suas características físicas – magro, ativo, sem empáfia e despretensioso. As pessoas não somente o aceitavam, mas criavam laços com ele.

Embora fosse um homem encantador, ele também era um feroz e impiedoso Guerreiro contra a Fome. Seu campo era a ciência da ação, não a ciência acadêmica. Nos campos de trigo, sua intensidade era tamanha que as pessoas se animavam apenas assistindo ao seu trabalho.

Ele abraçava o ditado de que um pouco de ação é melhor que muita discussão. Ao selecionar o trigo ele era um árbitro que, com uma imparcialidade profissional, condenava milhões de plantas sem pensar duas vezes. Ele sabia que os genes eram tão imprevisíveis quanto um relâmpago fugaz e que podem levar tanto ao sucesso como ao desespero.

Ele era um mestre na administração do caos, com uma capacidade inata de superar a ansiedade. Embora frequentemente fosse tratado como um herético no céu, ele nunca se ofendia, nunca abandonava suas convicções e raramente perdia a compostura. Quando parecia que o céu estava desabando, ele continuava explorando os mistérios do mundo do trigo com uma intensidade natural . . . aguardando que aquele gene certo emergisse como um peixe no lago.

Ele era uma alma invulgar e especial que não somente aceitava o prazo de anos, mas se concentrava no presente enquanto mantinha os olhos no futuro. Ele costumava se chamar de um jogador de meio campo e sua grande habilidade era compreender a defesa para localizar o caminho que chegasse até o gol.

Ele tinha coragem e estava disposto e se arriscar para fazer o que era preciso, não importando o tamanho do risco, nem se tinha seguidores. Nesse sentido, ele nunca teve medo de tropeçar e de ser considerado um tolo.

Ele não era um homem de palavras inspiradoras, tinha apenas trigos inspiradores. Mas o trigo falou muito em seu nome. Ele nunca foi o tipo de pessoa que olhava para trás; estava sempre ocupado em correr a frente sem perder tempo com futilidades.

O único fardo que nunca carregou foi o fardo de grandes riquezas. Ele trabalhou sua vida inteira sem ganhos pessoais e sentia-se contente, senão ansioso, de ver os outros colhendo os louros.

Enquanto muitos sonhavam e perdiam tempo, ele provava seu valor com ações. Ele decidiu lutar contra a fome em vez de escrever a respeito dela. E ele escolheu lutar de frente, com todas as suas forças, nas regiões que mais precisavam de alimento. Além disso, ele era um completo Guerreiro contra a Fome – tinha sempre recursos para obter toda a munição necessária.

Na era dos especialistas, ele mostrava a necessidade vital de generalistas. Nenhuma combinação de especialistas poderia realizar o que ele conseguiu. Seu grande dom foi de compartilhar sua exuberância e convicção. Geralmente seu ânimo estava tão alto quanto o termômetro no Deserto de Sonora na época da colheita.

Ele criou um extraordinário esprit de corps entre seus associados, –muitos deles jovens desamparados-. Eles confiavam uns nos outros, e isso foi a chave do sucesso que alcançaram. Ele nos ensinou o que fazer quando regras dogmáticas contrariavam necessidades humanitárias. “Lute” ele sempre dizia; “Lute, lute, lute!”.

Ele admirava trigais que havia criado ocupando espaços até o horizonte, mas ele nunca se vangloriava. Ele elevou a produtividade e níveis astronômicos, mas acreditava que isso não passava de seu trabalho e sempre se sentia insatisfeito.

Seu último legado era menos científico e se concentrava mais em sua capacidade de atingir os produtores e de incentivá-los à ação. Ele alimentou os famintos, mas também criou o ambiente adequado para um sólido setor privado rural. Cada semente de Borlaug enriqueceu o produtor e foi sua própria fonte de estímulo. Desse modo, deu a mão a milhões; sem recusá-la a ninguém.

Ele mostrou que um cientista consciencioso e sem compromissos é capaz de resolver problemas que confundem os ativistas com suas agendas rígidas. Enquanto muitos ficavam presos a suas visões sectárias do passado, ele estava descobrindo novos caminhos e seguindo por eles diretamente para o futuro. Ele era um explorador de roteiros para a Paz e a Fartura.

Quando ele teve que mudar o porte do principal cereal do mundo, abraçou esse desafio sem precedentes. E durante décadas, ele e o trigo estavam envoltos em um mundo próprio, rodopiando numa espécie de paixão criativa.

Finalmente, ninguém melhor que ele soube sintetizar a idéia de que o século 20 foi, acima de tudo, o século do homem comum.

Adeus velho amigo. Você surgiu do nada.. Você alcançou suas estrelas e colheu uma cesta cheia de sonhos. Seu legado são os campos ondulantes de culturas de alimento. Dentre os membros da Maior das Gerações, você foi o maior de todos!

(** Biografia “Borlaug-The mild mannered Maverick who fed a billion people”- 2o. volume no prelo).
(cv)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br