JUNHO 19

Mês frio das tradicionais festas juninas, este ano deve ter calor acima da media em grande parte do país. Produtividades de plantas de inverno afetadas de forma imprevisível.

 
 ENTREGA PRÊMIO
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(fc)
:: Restrições da Aplicação dos Resultados da Pesquisa na Agr. Tropic al
Dr. Ady Raul da Silva - Resumo de Capitulo do livro Ciência, agricultura e sociedade.



RESTRIÇÕES À APLICAÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA
NA AGRICULTURA TROPICAL

Ady Raul da Silva*


Resumo

Há uma intensa campanha internacional contra o desenvolvimento dos países tropicais, direcionada, principalmente, para a não-utilização de seus recursos naturais. Essa campanha no Brasil teve grande êxito, ao criar uma legislação que restringe o uso de 50% do território nacional, para fins produtivos. Conquanto o Brasil tenha a legislação ambiental mais restritiva do mundo ao próprio desenvolvimento, os ambientalistas, não satisfeitos com isso, empenham-se em ampliar essas restrições.

Organizações não-governamentais (ONGs), instituídas ou financiadas por países do Primeiro Mundo, são as responsáveis por essa campanha, que tem dois objetivos:

• Evitar que os 80% da população mais pobre do mundo consuma recursos naturais na mesma proporção com que eles o fazem, porque isso criaria problemas ambientais e de escassez, segundo os dados do Banco Mundial e do World Wildlife Fund (WWF).

• Impedir a concorrência com a produção daqueles países, na agricultura, setor em que não são competitivos, sobrevivendo no mercado internacional graças a subsídios à produção e à comercialização, a barreiras alfandegárias e a outras medidas restritivas à importação, contrariando o princípio de livre comércio que obrigam os países pobres a adotar para os seus produtos industriais e para a área de serviços.

A campanha ambientalista restringe ou impede a utilização dos avanços tecnológicos, resultados da pesquisa, por dois métodos:

• Impedir a utilização de grandes áreas pela agricultura, pecuária e silvicultura - no Brasil, 49,1 % de sua área territorial, e, se forem incluídas as áreas com restrições, ela aumenta para 79,6%.

• Desmoralizar e desestimular o uso de tecnologias que possibilitam e aumentam a produção e a produtividade da agricultura e da silvicultura, como adubação, defensivos agrícolas, produtos da biotecnologia e introdução de espécies mais eficientes, os quais são usados intensamente pelos países ricos.

Os países ricos pressionam os países subdesenvolvidos a adotar o que chamam de desenvolvimento sustentado, isto é, basicamente o extrativismo controlado, o que determina rendimento muito pequeno, condenando a população a um padrão de vida muito baixo, padrão que eles não aceitam para as próprias populações.







Centralizam sua campanha no endeusamento das florestas nativas e na manutenção da biodiversidade, além de se oporem ao desenvolvimento da agricultura, da pecuária, da silvicultura e da mineração, estendendo suas restrições a toda a infra-estrutura, tais como à construção de hidrelétricas, rodovias e hidrovias, e também ao financiamento à produção e à infra-estrutura. Assim, impedem o desenvolvimento a toda a população, e não apenas àquela ligada ao setor produtivo rural.

É preciso, pois, adotar o princípio que eles estabeleceram para si e praticam: proteger o meio ambiente, com a condição de não afetar o desenvolvimento socioeconômico, e assegurar bom padrão de vida à nossa população.

* Eng. Agr. Ph.D em Genética Vegetal

Excerto de “Ciência, agricultura e sociedade”- Ed. técnico E. Paterniani-
EMBRAPA 2006-pág. 485


“Os alarmistas do ambiente estão por aí mascateando sua
filosofia para os paises em desenvolvimento onde já existe
fome na população. No que me concerne, isto é imoral”.
Dodswell e Borlaug, citado por E. Malavolta.





(fc)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br