JULHO 19

As colheitas de cana-de-açúcar, café, citros e muitas outras frutíferas avançam nas regiões produtoras enquanto o frio e a estação seca preparam as plantas para as novas floradas e futuras produções.

 
 ENTREGA PRÊMIO
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(cv)
:: CONVERSA CAIPIRA
Fernando Penteado Cardoso - Eng.Agr.Sênior, ESALQ-USP1936, Presidente da Fundação Agrisus - agrisus@agrisus.com.br
Fico maginando...

"Olha seu moço. Quando meus avó chegaro d" Itália, já tava tudo derrubado p"ra plantá café com milho, feijão e arroz nas entrelinha. O milho servia p"ra fubá, p"ros porco e p"ras galinha. Era um despropósito de fartura. Tinha de tudo.

A gente plantava nas várzea porque a terra era mais fresca e sofria menos co"a seca. Bem que a várzea protegia a gente. Agora querem que a gente num plante mais nas baixada. Num dá. Nois n"um semo responsave si os antigo derrubaro mato p"ra sobrevive e p"ra ganha a vida. Fico maginando: eles trabalharo muito p"ra abri o sertãozão.

Mato na beira dos rio era casa dos pernilongo das maleita e tinha pranta cum veneno qui matava os boi, por isso a gente limpava tudo. Tinha rio chamado de pardo, de turvo, de vermelho porque as beirada desbarrancava e mudava a cor d"água. E mesmo assim era tudo mato nas marge qui diz ciliá.

Diz que prantá mata ciliá é bão p"ros bicho e p"ra segurá os barranco. Bicho gosta di mato fechado, sucegado, longi di gente. N"um é essas nesga di capoera qui vai ajudá as capivara e vai firmá os barranco. N"um credito não. Num tem nem espriença p"ra prová, uai! Já desbrugava quando era tudo mato. Fico maginando: a genti pranta as berada p"ra mor di ficá bonito, fazê sombra, cortá os vento!

Num sei quen inventaro a tar reserva de 20%. Porque esse núm"ro? Podia ser 15, 25 ou quarquer outro. Acho que contaro os dedo que a gente tem. Parece inté tabelamento de juro. Ninguém bedece. O tal 20% tem que caí fora. É pura invenção dos político ou de gente que não tem mais que fazê. Fico maginando: não diantô nada até hoje e não vai diantá nada daqui p"ra frente.

Mandá plantá arve p"ra imatá as mata antiga, isso é conversa di moço da cidade. Arve é muito bonito, dá sombra e corta o vento. Tirando os mato diminui a geada, isso todo mundo sabe. Agora, dizê que arve muda o calor, o frio e a chuva, tô p"ra vê. Num credito não. A bem dizê, ela dá só um frescorzinho na sombra, bem debaxo das foia.

Lá no Gronômico di Campinas tem medidô di chuva do tempo dum tar dotô Darfe. Dissero qui as chuva d"agora tem sempre otra iguar otros ano p"atrás. Meus avô mi contaro que no ano di 29 choveu p"ra daná. Inundô tudo o varjão do Tietê da Ponti Grande inté a Freguezia. Um marzão qui só vendo. Será qui era curpa das arve qui tiraro p"ra prantá café?

Bom mesmo era os governo comprá toda as mata qui sobrô e conservá elas p"ros bicho vivê e p"ras criançada passeá e conhecê como era a terra deles nos tempo dos índio e da bicharada. Podia até dar uns prêmio p"ra quem conservá uns capão ou intão uma gorgetinha p"ra formá uns bosque p"ra boniteza dos sitio e fazenda. Um disconto quarquer que animasse a gente p"ra comprá as muda e matá as formiga. Uái, num dão mesada p"ra gente ficá discançando?

No tempo das carpidera puxada com égua, a gente tinha que limpá bem a terra p"ra facilitá o serviço. Aí as água carregava tudo e era uma baita d"erosão. Agora nóis dexa o cisco cobrindo a terra e segura o mato com remédio. Bastante cisco segura as água que corre devagarinho e tem mais tempo de filtrá. Num tem mais enxurrada lavando terra p"ra baixo. U"a beleza esse tar di prantio direto. Dá inté gosto di prantá.

Si a gente pudé segurá as enxurrada, fazendo a chuva todinha filtrá na terra, já tá demais de bão. Vai garantí os óio dágua. Si num filtrá que nem nas mata, as nascenti seca tudo, mesmo cum arvoredo em vorta.

Ond"é que já se viu os carriadô, os caminho e as estrada municipar despejá tanta enxurrada com lama, areia, terra e tudo nos riberão, entupindo os corgo e os brejo. Fico maginando: isso sim, atrapaia o tar di ambienti.

Porquê tazaná a vida da gente cum tanta cumpricação de papelada, registro, licença p"ra tudo? P"raque tanta meaça di murta, di cadeia, di tomá o chão da gente?

Vai acabá nois companhando os sem terra que vive num bem bão, tem presente di mesada, comida di cesta, visita di padre, agrado dos politico pedindo voto e barulhera das TV fazendo eles ficá importante. Será que temo que fazê compania p"reles?

Fico maginando: quem é qui vai intão prantá p"ra mandá comida p"resse povão das cidade? Cês pensa qui o CEASA fica sortido si nois fiquemo em casa comendo co a borsa de familha?"


(cv)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br