JANEIRO 2019

Soja e outras plantas de verão em pleno crescimento.
Citros, café e cana de açúcar enfrentando limitações do clima.

 
 LANÇAMENTO BIOGRAFIA
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(fc)
:: ADUBAÇÃO FOSFATADA NO BRASIL
Manah dá...Noticias-Abril 1984 - ADUBAÇÃO FOSFATADA NO BRASIL - www.agrisus.org.br

ADUBAÇÃO FOSFATADA NO BRASIL*


Ao longo de suas atividades no setor de fertilizantes, e talvez em decorrência de ter em sua origem a formação agronômica de seus fundadores, a Manah sempre se empenhou em manter se a par do desenvolvimento de pesquisas e experimentos agronômicos, usufruindo seus resultados para o aperfeiçoamento de seus produtos e pautando sobre eles suas recomendações em benefício dos agricultores.

Nesse sentido, não só colaborou para o progresso da tecnologia agrícola, promovendo, financiando e prestigiando tais pesquisas e experimentos, como deu sua decisiva participação, a exemplo da pesquisa "O Movimento de Íons em Diferentes Solos", executada pelo Instituto Agronômico de Campinas já em 1953, com nossa colaboração financeira.

Dentro dessa filosofia, acompanhamos com especial interesse as conclusões oficialmente adotadas pela EMBRAPA, condensadas no livro "Adubação Fosfatada no Brasil", contendo uma série de trabalhos científicos sobre o problema do fósforo no Brasil, dos quais destacamos os seguintes trechos:

"O esgotamento por várias décadas de cultivo, sem reposição de nutrientes, de solos originalmente férteis, bem como a exploração de áreas novas com solos de baixa fertilidade natural, tornam a agricultura brasileira dependente, de forma crescente e irreversível, de aplicações maciças de fertilizantes”.

“Os fertilizantes químicos são essenciais para o aumento, ou mesmo para a simples sustentação, da produtividade das culturas. E" indiscutível a necessidade de aprimoramento das técnicas e diagonose da deficiência de nutrientes em solos e de aplicações de fertilizantes, com o objetivo de evitar desperdícios e traduzir a aplicação desses insumos em máximo benefício para o agricultor”.

"A preocupação principal é com a eficiência do uso do fósforo, ou seja, é a de reduzir os custos para os agricultores e para a sociedade, e, ao mesmo tempo, garantir o incremento da produtividade da terra e do trabalho. Quer-se expandir o mercado de fertilizantes, mas dentro de uma ótica em que consumidores, produtores rurais e a indústria todos se beneficiem. Só a ciência é capaz disso, gerando tecnologias que reduzam os custos e, ao mesmo tempo, estimulem o crescimento da produtividade”. "As respostas de culturas à adubação fosfatada variam amplamente de local para local, dependendo da planta cultivada, do nível de manejo e, principalmente, da disponibilidade de fósforo no solo". "É nos cerrados que a deficiência de fósforo é fator impeditivo para qualquer atividade agrícola duradoura e rentável sem a aplicação de adubos fosfatados. Sob o ponto de vista biológico e também econômico, o fósforo é o nutriente mais importante para a produção agrícola no cerrado”

."A análise do solo é o instrumento mais utilizado para definir a necessidade de adubação fosfatada a nível do agricultor. 0 histórico das áreas em termos de manejo, da calagem e de adubação é muito útil na interpretação da análise de solo e posterior recomendação de adubação." "Uma alternativa que se apresenta como promissora é a extração com resina trocadora de aníons, que vem sendo investigada em algumas regiões do País. Os resultados obtidos mostram que o método da resina é superior aos métodos em uso atualmente”.


"Com a tendência do mercado de fertilizantes de oferecer fórmulas mais concentradas onde as fontes de nitrogênio, fósforo e potássio não contêm enxofre...verifica se após alguns anos de cultivo, deficiência de enxofre. Além da importância da presença do enxofre como nutriente, tem se verificado a possibilidade de se corrigir a acidez subsuperficial do solo graças à movimentação de cátions (Cálcio e Magnésio) acompanhados de anions como o sulfato (S04), reduzindo assim os riscos inerentes aos veranicos ao permitir um maior desenvolvimento radicular de plantas sensíveis à acidez, e a conseqüente exploração de maior volume de solo em termos de água e nutrientes”. "É desejável que as fontes de nitrogênio, fósforo ou potássio nas fórmulas forneçam enxofre não só como nutriente para as plantas, mas ainda como veículo para a correção de acidez subsuperficial do solo”.


Nunca nos divorciamos da evolução da ciência agronômica e, baseados na pesquisa, calcamos sobre seus resultados nossa produção e nossa orientação aos lavradores. Vimos também dedicando especial empenho ao desenvolvimento de novos produtos que promovam o aumento da produtividade e a preservação da fertilidade do solo para o futuro, tanto em terras já anteriormente cultivadas como na expansão das fronteiras agrícolas em terras pobres, como as de cerrado.

As transcrições acima visam reforçar as recomendações que procuramos, de todas as formas, transmitir a nossos agricultores, bem como demonstrar, através dos depoimentos dos mais renomados pesquisadores e estudiosos no campo da agricultura, a justeza da afirmativa que desde nossos primórdios vimos reiterando: "DE UMA BOA ADUBAÇÃO DEPENDE O SUCESSO DE SUA PRÓXIMA COLHEITA”.

*Fonte: “Manah dá...Notícias” Abril de 1984- Editorial

(fc)
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br