FEVEREIRO 2018-Produtores aprestam-se para a colheita da soja, seguida da semeadura da segunda safra, esta com atraso da melhor época. Provável aumento do sorgo. Melhor tecnologia recomenda sobressemeio de B. ruziziensis, para assegurar PD de qualidade.
 
 ANIVERSÁRIO ABC
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(mla)
:: QUALIDADE DA PALHADA É DESTAQUE NA APURAÇÃO DO RALLY DA SAFRA
Depois de apoiar o levantamento sobre plantio direto por 10 anos, a Agrisus decidiu fazer a apuração bianual, a última foi em 2015.

Agora em 2017, no encerramento da primeira fase do 14º Rally da Safra, em 30/03, na sede da FIESP, em São Paulo, o coordenador geral da Agoconsult, organizadora do levantamento, André Pessôa, afirmou que percebeu uma preocupação muito maior dos produtores com a formação da palhada. "Não é só fazer o plantio direto, mas a qualidade da palhada que está sendo produzida", afirma Pessôa.

Durante as viagens, que percorreram os principais Estados produtores de soja entre janeiro e março, a constatação dos técnicos é de que os produtores estão investindo e conseguindo êxito no manejo da técnica de plantio direto. O coordenador enfatizou a busca para produção de mais palhada, usando, por exemplo, a crotalária, nas regiões em que não se conseguia fazer palhada com milheto.

Sobre a extensão da área ocupada com plantio direto, o coordenador considera que não houve diferença substancial e que o Sul do Brasil continua na liderança da utilização do SPD como prática, seguido do Centro Oeste e posteriormente pela região do Nordeste. "Mas todas elas vêm avançando, sobretudo na qualidade do manejo do plantio direto", ele garante.

Para o coordenador, há uma correlação muito forte e direta da qualidade da palhada com o desempenho de produtividade, que alcançou o recorde de 55,8 sacas por hectare contra 48,2 sacas por hectare na safra passada.

Os principais fatores que levaram a um volume 18% superior ao da safra anterior são uma combinação de boas condições climáticas e uso intensivo de tecnologia. Já a área plantada geral teve aumento de 2%, passando para 33,9 milhões de hectares. Outros componentes para esse aumento de produtividade são a boa nutrição das plantas, a baixa incidência de pragas e doenças e presença de materiais genéticos altamente produtivos. Pessôa destacou também o peso dos grãos e a logística como pontos positivos.

Para mais informações sobre as conclusões apresentadas clique aqui Para informações sobre o Rally, que prosseguirá em maio na verificação do milho segunda safra, clique aqui


Fonte: Fundação Agrisus
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br