JULHO 2017

Colheita adiantada de milho safrinha beneficiado pelas chuvas assegurou alta produtividade e favoreceu cana, perenes e pastagens. Preços módicos favorecem confinamento bovino, avicultura e suinocultura. Produtores planejando próximo plantio.

 
 SIMPÓSIO ESALQ
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(mla)
:: 15 DE ABRIL, DIA NACIONAL DA CONSERVAÇÃO DO SOLO
Bennett realizou várias experiências sobre solos e agricultura e liderou um verdadeiro movimento contra a erosão das terras americanas nas décadas de 1920 e 1930, considerando-a uma ameaça nacional.

Seus princípios foram adotados em muitos países e ajudaram a salvar extensos territórios. No Brasil, esteve como convidado em 1955.

A Fundação Agrisus tem na conservação do solo um de seus principais objetivos, apoiando pesquisas e eventos referentes ao tema. O problema é grave: relatório da FAO lançado em 2016 indica que 33% dos solos do mundo estão degradados por erosão, salinização, compactação, acidificação e contaminação.

Entre outros prejuízos, como selamento da terra – que agrava as enchentes – e perda de fertilidade, os solos degradados captam menos carbono da atmosfera, interferindo nas mudanças climáticas.

Por outro lado, quando gerido de forma sustentável, o solo pode desempenhar um papel importante na diminuição das alterações climáticas, por meio do sequestro de carbono e outros gases de efeito estufa.

A Embrapa Solos fez parte do estudo e a pesquisadora Maria de Lourdes Mendonça, na época, constatou: "Cerca de 50% dos solos latino-americanos estão sofrendo algum tipo de degradação. No Brasil, os principais problemas encontrados são erosão, perda de carbono orgânico, e desequilíbrio de nutrientes", afirma. Os solos brasileiros também sofrem com a salinização, poluição e acidificação.

Fonte: Fundação Agrisus
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br