OUTUBRO

A primavera chega com força evidente nas abundantes floradas, enquanto o agricultor aguarda as chuvas e se prepara estrategicamente para o rápido plantio da próxima safra em todo o país.

 
 PRÊMIO ABAG 2019
 Busca
 
 VoltarImprimirEnviar para um amigo
(ep)
:: Relatório 2007
RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2007

Senhores membros do Conselho de Curadores:

Nos termos do Item IV do Art. 17 do Estatuto e dentro do prazo previsto no Art. 27, submetemos à apreciação desse Conselho as Demonstrações Contábeis do exercício de 2007, anexo III, bem como nosso Relatório para o período em revista.


FINANÇAS

O superávit alcançado no ano em revista foi sensivelmente inferior ao resultado do ano anterior, vindo a atingir a R$ 800.939,09, devido à desvalorização cambial que acabou reduzindo o valor de nosso investimento no exterior em cerca de 10,3%, mesmo após o rendimento obtido. Essa aplicação no Banco do Brasil-Miami, no valor de US$ 1.591.486,53 rendeu 7,6% quando expressa em dólares, enquanto que o Fundo Agrisus FAQ rendeu 9,37% em 12 meses.

De acordo com deliberação da Diretoria em 03/09/07, a maior parte do investimento no Fundo Agrisus FAQ foi transformada em aplicações diretas, cuja tributação, caso devida, só incide por ocasião do pagamento do rendimento, ao em vez de ser debitada semestralmente sobre a renda creditada embora não utilizada. Desse modo, o imposto de renda da pessoa jurídica, ora depositado judicialmente, fica postergado para o vencimento dos títulos.

Na data do balanço a distribuição dos investimentos era a seguinte: Fundo Agrisus FAQ (saldo)-1,1%; Fundo BB dólar-14,7%; CDBs-16,1%; Letras do Tesouro - 37,0%; Carteira de Ações-31,1% (pelo valor de custo original), no total de R$ 19.184.113,24.

Foi prevista a transformação do Fundo Agrisus FAQ (aplicação em cotas de outros fundos) em Fundo Agrisus FIA (investimento de até 30% em Renda Fixa e o restante em Renda Variável) para absorver a carteira de ações acima referida. Estamos ultimando os estudos e providências com essa finalidade.

As despesas operacionais foram 12% inferiores às do ano anterior, alcançando R$ 111.107,98.

O Fundo Agrisus que regula as verbas orçamentárias para projetos aprovados, apresentou um saldo remanescente de R$ 468.820,88, que, deduzido da verba inicial de R$ 1.000.000, significa um desembolso de R$ 531.179,12 para os financiamentos feitos a fundo perdidos, dentro das finalidades da Fundação.

Os depósitos judiciais na Caixa Econômica Federal elevaram-se em 2,7%, alcançando a R$ 2.094.603,65, sem que a ação judicial para reconhecimento da imunidade tributária da entidade tenha caminhado para uma solução.

Levando em conta o Orçamento para 2007 aprovado pelo Conselho em reunião de 17.12.06, a Diretoria aprovou a seguinte destinação do saldo de 2007, ad referendum do Conselho:

a) R$ 331.179,12 para crédito do Fundo Agrisus, estabelecendo uma dotação de R$ 800.000,00 para financiamento de projetos;
b) R$ 480.000,00 para acréscimo do Patrimônio Fixo, elevando-o para R$ 18.380.000,00;
c) R$ 5.660,28 remanescendo como saldo diferido.

A elevação do Patrimônio Fixo em 2,7%, além de proteger o patrimônio como previsto em nosso Estatuto, virá, igualmente, proporcionar maior receita financeira a ser destinada futuramente ao financiamento de projetos através do Fundo Agrisus.


PROJETOS

No decorrer do exercício recebemos 123 novos pedidos de financiamento dos quais 78 foram acolhidos para análise. A Diretoria, por sua vez, aprovou 51 pedidos que assim se comparam com os dos dois anos anteriores:


..........................................................2005..................2006...................2007
Educação Individual
Bolsas e auxílios ...............................16......................20........................16
Educação Coletiva
Eventos Técnicos .............................10......................15.........................16
Cursos e Treinamentos .....................07......................01........................05
Livros e Bibliotecas ...........................03......................01........................00
Embasamento da educação
Pesquisa agronômica ........................12......................15........................13
Pesquisa estado da arte ....................01......................01........................01
...........................................................49.......................53........................51


Os projetos e respectivos orçamentos foram submetidos e aprovados pela Diretoria, tendo todos eles sido financiados com recursos próprios da Fundação Agrisus. Os pagamentos, acompanhamentos e comprovações foram feitos através da Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz – FEALQ, conforme Convênio Operacional em vigor, totalizando R$ 531.179,12.

Desde o inicio de suas atividades em 2001, inclusive o ano de 2007, foram recebidos 413 pedidos dos quais foram recusados 181, seja por não se adequarem às finalidades da entidade, seja por não apresentarem evidência satisfatória de viabilidade. Excluindo os pedidos ainda sob análise, os projetos aprovados podem assim ser grupados:

..............................................Concluídos............Andamento...........Total
Educação Individual
Bolsas e auxílios .............................58...........................18........................76
Educação Coletiva
Eventos Técnicos ............................46...........................15........................61
Cursos e Treinamentos ...................10............................05.......................15
Livros e Bibliotecas .........................02............................02.......................04
Embasamento da educação
Pesquisa agronômica ......................29............................35.......................64
Pesquisa estado da arte .................03..............................-........................03
........................................................148............................75....................223

Dentro desse elenco de projetos em andamento e concluídos, alguns se destacam pelo seu mérito técnico e finalidade educacional através da disseminação de tecnologia previamente comprovada.

Merece especial destaque o projeto 292/07-Rally da Safra 2007 sobre levantamento do estado da arte no Plantio Direto no Brasil, comparando os procedimentos de 2006 com os encontrados em 2007. O Relatório completo dessa pesquisa foi apresentado durante o simpósio sobre Plantio Direto promovido pela FEBRAPDP a 29 de Agosto. As conclusões vêm servindo de parâmetro para o planejamento de atividades de órgãos oficiais e da Agrisus.

Outros eventos de abrangência regional receberam apoio da Agrisus nesses anos. Foram financiados eventos relativos a dias de campo, semanas agronômicas, treinamentos de produtores em plantio direto, simpósios e outros. Os públicos atingidos foram também bastante diversos: agricultores, agrônomos, pesquisadores, professores e estudantes. No total, esses eventos contaram com mais de 5.000 participantes que tiveram ciência da atuação da Agrisus ao disseminar conhecimentos técnicos e, através da educação, aprimorar a formação profissional.

No Anexo I são enumerados e descritos 20 projetos em andamento ou concluídos que merecem destaque.

Os desembolsos com projetos, cobertos pelo Fundo Agrisus, somaram nesses 7 anos a R$ 1.935.765,00, distribuídos por 223 projetos concluídos e em andamento desde o início de nossas atividade em 2001.


ADMINISTRAÇÃO

No decorrer de 2007, foram realizadas Reuniões da Diretoria e 2 Reuniões do Conselho de Curadores, cujas atas foram encaminhadas ao DD. Promotor Curador de Fundações. As atividades operacionais dos projetos continuam a cargo da Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz-FEALQ, ora presidida pelo Eng. Agrônomo Rubens Ângulo Filho, dentro do Convênio em vigor, permanecendo a administração financeira em mãos dos diretores com funções executivas.

A análise dos pedidos de financiamento continua sendo encaminhada para o escritório do Secretário Executivo em Campinas, Dr. Ondino Bataglia, onde são analisados em ambiente de contínua troca de idéias com o Presidente da Agrisus.

Nossa filiação à Associação Paulista de Fundações-APF, da qual é Presidente a Sra. Dora Cunha Bueno, tem sido profícua, resultando no preparo da documentação visando o credenciamento da Fundação Agrisus como entidade de utilidade pública. As diligências para esse efeito, contratadas com o Escritório Contábil Dom Bosco, foram coroadas de sucesso conforme noticiado por nossa Circular de Setembro 2007. Pela Portaria No. 1308 de 25/07/07 do Ministério da Justiça a Agrisus foi declarada de Utilidade Pública Federal e, pelo Decreto ESP No. 52130 de 04/09/07, assinado pelo Governador do Estado, foi classificada de Utilidade Pública Estadual.

Por exigência da Procuradoria das Fundações, prestamos as informações requeridas pelo formulário SIF para 2006, tendo igualmente satisfeito igual solicitação para os exercícios anteriores de 2003, 2004 e 2005.

Durante o exercício de 2007 a Agrisus se fez representar, por seus diretores ou delegados, junto a eventos relacionados à agropecuária conforme relacionado no Anexo II. Dentre os eventos indicados merece destaque o Simpósio sobre Plantio Direto-Gestão Sustentável do Agronegócio, realizado em Ponta Grossa/PR,-sob os auspícios da FEBRAPDP e na presença do Ministro Stephanes da Agricultura,- durante o qual foi apresentado o relatório do estado da arte de plantio direto, comparando-se a evolução de 2006 para 2007.

No decorrer do exercício 2007 procedemos à remodelação do site Agrisus, tornando-o mais ágil nas atualizações periódicas, introduzindo ao mesmo tempo o recurso de inclusão de relatórios e artigos ilustrados no sistema PDF. Foram contabilizadas ao redor de 36 mil visitas no decorrer do ano com duração média da ordem de 4 minutos. Foi observada uma intensificação das visitas por ocasião da emissão das Circulares, o que justifica a continuidade desse instrumento. Para esse efeito pretendemos ampliar e reorganizar nossa listagem de e-mails a pessoas e organizações possíveis de se interessar pelos objetivos e pelas atividades da Agrisus.

Em Junho do ano em revista iniciou-se a distribuição dos Anais do “Workshop sobre o SPD no ESP”, realizado em Campinas em Dezembro de 2005 com apoio da Agrisus. A publicação com mais de 200 páginas em papel couchê e ilustrações em cores, vem sendo distribuídos tanto pelo Instituto agronômico d Campinas como pela Agrisus. Trata-se de um dos mais completos compêndios sobre o SPD publicados no país até esta data.

Continuamos com atividade restrita no campo da publicidade, limitada a pequenos anúncios inseridos no Boletim da Assoc. de Plantio Direto no Cerrado e na publicação do Notesalq do Grupo de Estudos Luiz de Queiroz – ESALQ-USP. Nesses anúncios procuramos divulgar o financiamento de projetos de Educação Individual, Educação Coletiva e Embasamento de Educação, esclarecendo os objetivos da Agrisus.

S. Paulo, 1 de Março de 2008.

A Diretoria



ANEXO I

• O projeto 175-05 “Forrageiras em Cultura da Soja” - Luís Armando Zago Machado – Embrapa CPAP – MS, foi desenvolvido com objetivo de avaliar estratégias de manejo para viabilizar a implantação de espécies forrageiras em consorcio e/ou sucessão à cultura da soja. Foram estudados diversos aspectos do estabelecimento de pastagem (Brachiaria brizantha cv. Marandu) semeada em diferentes estádios de desenvolvimento da cultura da soja. Os dados obtidos possibilitam a formulação de técnicas de manejo do consórcio visando o melhor da produção de soja e de pastagem ou matéria seca para o sistema de plantio direto. Os resultados obtidos nestes experimentos foram abordados em palestras realizadas em Várzea Grande (MT), Piracicaba (SP), São Gabriel do Oeste, Campo Grande, Naviraí, Rio Brilhante e Dourados (MS).

• O projeto 202-07 “Manejo dos Solos na ILP” - Paulo Cesar de Faccio Carvalho – UFRGS, conduzido no RS sobre tecnologia para o manejo dos solos, das culturas e dos animais em sistema de integração lavoura pecuária em plantio direto mostrou que após seis anos, os estoques de carbono apresentam claro aumento com a inserção do animal no sistema, especialmente na camada de 0-5 cm do solo. Isto, devido ao maior estímulo ao crescimento vegetal pela ação do pastejo. O mesmo ocorre com o nitrogênio, visto que este se relaciona diretamente com a matéria orgânica do solo, mantendo a relação de aproximadamente 10:1. Com isso, o estoque de N seguiu a mesma tendência do carbono, observando-se magnitudes até 500 kg maiores do que as das áreas sem pastejo. A ação do pastejo tem efeito benéfico nos sistemas integrados, incrementando os estoques de carbono e nitrogênio do solo.

• No projeto 203-07 “Culturas no Outono-Inverno” Gessi Ceccon – EMBRAPA CPAO – MS, o trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar espécies no outono-inverno em consórcio com milho safrinha para produção de palha e grãos, em MS. Os tratamentos foram implantados nos municípios de Dourados, Batayporã e São Gabriel do Oeste, durante o mês de março de 2006, com adubação apenas na linha do milho, semeado em linhas espaçadas de 0,90m e as espécies em consórcio implantadas manualmente na entrelinha, na mesma data. A presença de uma espécie em consórcio não interferiu no rendimento de grãos do milho. Contudo, o rendimento da soja em sucessão não revelou efeito significativo desses consórcios. O milho safrinha em consórcio com Brachiaria ruziziensis, demonstra ser uma opção para produção de palha e grãos no outono-inverno e, pode constituir em opção para sustentabilidade do Sistema Plantio Direto em MS.

• No projeto 217-06 “Calcário Superficial no PD” - Cristiano Alberto de Andrade -IAC - SP, a análise conjunta de duas colheitas de soja e duas colheitas de trigo não evidenciou diferenças de produtividade dessas culturas em relação à incorporação ou não do calcário. Esse aspecto é bastante importante, uma vez que permite inferir sobre a possibilidade de correção do solo a partir do calcário aplicado na superfície, com eficiência semelhante ao incorporado. A constatação de ausência de diferenças entre os sistemas de aplicação do calcário (incorporação ou não, no início do plantio direto), bem como a verificação de ganhos de produtividade e de retorno econômico com a dose do calcário acima de V 60%, notadamente em superfície, contradiz o que é recomendado atualmente na Região Sul do Brasil, isto é, a redução pela metade ou em dois terços para a dose de calcário aplicada na superfície do solo.

• Ainda em SP, o projeto 228/06 “Sistema ILP em Rio Preto” Roberto Molinari Peres – APTA, teve como objetivo gerar informações para recuperar áreas de pastagens degradadas pela integração lavoura e pecuária, utilizando o sistema plantio direto. Os resultados não deixaram dúvidas de que os pastos da integração lavoura pecuária apresentam melhor qualidade na época seca, quando comparados com os exclusivos de capim, observando-se, também que os mesmos estavam praticamente formados um ano após o plantio do milho. O reflexo da composição das pastagens pode ser notado no primeiro período de avaliação dos animais, que permaneceram durante sete semanas em suas respectivas parcelas, pelos seus ganhos médios em peso, que foram: 629, 587g/dia, para os tratamentos de pasto sem plantio de milho e, 932, 893, 948 e 970 para os tratamentos onde foi cultivado milho no verão.

• No MS, projeto 262-06 “Aporte de Carbono e Agregação do Solo” Júlio Cesar Salton – EMBRAPA CPAO, os efeitos de cultivos de entressafra na região Centro-Oeste do Brasil sobre o aporte de carbono e agregação do solo foram estudados neste projeto. Despertou interesse, as forrageiras Marandu e Tanzânia, que sistematicamente apresentaram maiores teores de nutrientes em comparação à Testemunha (Pousio). A composição da matéria seca restante sobre o solo durante as avaliações, em ambos os experimentos, mostrou grande variabilidade entre os tratamentos (forrageiras). Houve redução abrupta no teor de potássio entre a primeira e segunda avaliações. Para enxofre e cálcio há aumento no teor relativo à medida que transcorre o tempo. As quantidades estimadas de nutrientes reciclados/liberados pela decomposição da massa seca das forrageiras em São Gabriel do Oeste mereceu destaque o potássio, com valores próximos a 50 kg ha-1 para as espécies Mombaça e Xaraés, enquanto a Ruzizensis destacou-se quanto aos elementos cálcio, enxofre, nitrogênio e fósforo.

• O projeto 264-06 “Seqüestro de Carbono pelo PD” Marcos Gervasio Pereira UFRRJ – RJ, foi desenvolvido para avaliar as frações da matéria orgânica em solos sob plantio direto no cerrado na região Sudeste do Brasil. A densidade do solo (Ds) foi mais elevada nas camadas superficiais na área de soja, independente do tipo de cobertura. Em profundidade, os maiores valores de Ds estiveram associados à área de cobertura de milheto após o plantio de milho. Quanto aos valores da matéria orgânica leve (MOL) os maiores valores foram observados na camada superficial (0-2,5 cm), diminuindo em profundidade. Os maiores valores de MOL foram verificados na área de cobertura de braquiária após o plantio de soja. Para as substâncias húmicas, os maiores valores foram verificados para a fração humina, seguida pelos ácidos fúlvicos e húmicos, independente do tipo de cobertura ou cultura. Os maiores valores destas frações ocorreram para a cobertura de braquiária na camada superficial (0-2,5 cm) decrescendo em profundidade, independente da cultura (soja ou milho). As plantas de cobertura estão contribuindo para o aumento do conteúdo de carbono orgânico das áreas estudadas.

• Em GO, o projeto 269-07 “Adubação N no Algodoeiro Sob SPD” Maria da Conceição Santana Carvalho - EMBRAPA ALGODÃO, tem objetivos de avaliar a possibilidade de reduzir o número de parcelamentos da adubação de cobertura da cultura do algodoeiro, usando fontes convencionais e alternativas de fertilizantes nitrogenados, em SPD com ILP, no Cerrado; e testar a eficiência agronômica e a relação benefício/custo de fertilizantes nitrogenados com inibidor de urease, inibidor de nitrificação e de liberação lenta. Nenhuma das fontes alternativas de fertilizantes nitrogenados testadas, incluindo revestimento físico com polímero (kimcoat), inibidor de urease (super N) e inibidor de nitrificação (entec 26), proporcionou produtividade superior às fontes convencionais (uréia, nitrato de amônio e sulfato de amônio). Do ponto de vista econômico, a melhor opção foi uréia comum, com menor custo por unidade de nitrogênio.

• No PR, o projeto 270-06 “Sistema Radicular Sob SPD” Caroline de Marchi Bordon – UEM - teve objetivo de avaliar o desenvolvimento radicular de forrageiras e da soja plantada em sucessão, a produção de matéria seca das forrageiras no momento do plantio e seus reflexos na produtividade da soja em sistemas de ILP no Arenito Caiuá. O sistema com sobre-semeadura de tanzânia + ruzizienses se destacou tanto pela produção de matéria seca da parte aérea quanto pelo desenvolvimento radicular. O sistema radicular nesse tratamento apresentou 30% a mais de área radicular e 23% de comprimento de raízes em relação à média dos demais tratamentos. Da mesma forma a matéria seca no plantio da soja foi de 6.910 kg/ha superando em 6,3% a média dos demais tratamentos. A soja, por outro lado, apresentou maior área radicular e comprimento de raízes, 30% e 39%, respectivamente no tratamento com sobre-semeadura de ruzizienses apenas. Nesse tratamento a produtividade de 3426 kg/ha foi 11% maior do que a media dos demais tratamentos. O sistema tanzânia + ruzizienses tem um ótimo potencial para a produção animal e melhoria da qualidade do solo, pela alta produção de matéria seca da parte aérea e raízes, porém a presença de apenas ruzizienses no sistema foi mais favorável ao desempenho da soja. Ajustes no manejo das maiores quantidades de palha e raízes são requeridos para melhorar o desempenho da soja no sistema tanzânia + ruzizienses.

• O projeto 274-06 em MS, “O Algodoeiro em SPD” Fernando Mendes Lama – EMBRAPA-CPAO, teve objetivo de desenvolver, para as condições do Estado de Mato Grosso, um sistema de produção visando a sustentabilidade do cultivo do algodoeiro. Nos resultados já obtidos, não se observou diferença significativa para produtividade de fibra de algodão, em função do sistema de manejo (convencional sem rotação, convencional com rotação e SPD). Entretanto, na safra 2006/2007 verificou-se maior incidência de ramulária e de plantas daninhas no tratamento convencional em relação ao SPD. Ficou evidenciada a vantagem do SPD em relação ao sistema convencional de manejo do solo, no que se refere a custos de produção. Espera-se para os próximos anos a estabilização do SPD em função do não revolvimento do solo, solo permanentemente coberto (biomassa de B. ruziziensis + restos culturais de milho e soja) e rotação de culturas, melhorias dos atributos químicos, físicos e biológicos e conseqüentemente da produtividade. Com os resultados já obtidos, está sendo quebrado o paradigma de que, o cultivo do algodoeiro em SPD não é viável.

• Em GO, o projeto 290/06 “Amostragem de Solo Sob SPD” Gilson Pereira Silva – FESURV, tem objetivo de estudar a amostragem de solo em áreas sob plantio direto no Cerrado, identificar variações entre os resultados de análise química do solo em função de diferentes equipamentos, pontos de coleta e profundidades de amostragem do solo. O SPD tem provocado concentração acentuada da fertilidade nas camadas superiores do perfil devido ao não revolvimento do solo. Com o passar dos anos é possível identificar maiores teores de P na linha de plantio, mas este nutriente não teve correlação com produtividades mais elevadas. Não se observou aumentos de MO no solo em função do tempo de adoção de plantio direto, mas os solos argilosos apresentaram maiores teores de MO. O equipamento e a profundidade de coleta de solo foram as fontes de variação que mais influenciaram os resultados das análises de solo. As amostras realizadas com furadeira, na camada superficial e na linha de plantio, apresentaram os resultados mais elevados de fertilidade. As amostragens até os 10 cm de profundidade podem super estimar a fertilidade do solo, mas como não houve correlação entre produtividade e profundidade de amostragem, esta poderia ser realizada na camada superficial (10 cm) em áreas sob plantio direto.

• Durante o projeto 292-07 “Rally da Safra 2007” – André Pessoa – Agroconsult – SC foi realizado levantamento de cobertura do solo nas lavouras de soja, milho e algodão e registro de imagens digitais para identificação do tipo de resíduo. Foram realizadas 1.018 amostras de campo. Foi avaliado o percentual do solo coberto com resíduos e a planta de cobertura usada na formação da palhada, que em alguns pontos foi registrada por fotografia. Notou-se redução no percentual de cobertura do solo em todas as regiões em relação ao ano anterior. Milheto, milho, aveia e trigo forma os resíduos identificados com maior freqüência nas áreas amostradas em lavouras de soja. Nas lavouras de milho os resíduos mais encontrados foram o próprio milho, milheto e a aveia. Foram também aplicados questionários aos produtores. A quase totalidade afirmou utilizar o Sistema de Plantio Direto (SPD) em suas propriedades (97%). A grande maioria há mais de 10 anos. A região climática 3 é que possui o maior percentual de produtores que utilizam as técnicas de SPD há menos de 10 anos. O aumento da produtividade e a conservação do solo foram os motivos mais freqüentemente citados para utilização do SPD. As culturas mais freqüentemente citadas para formação de palhada foram o milho (26%), o milheto (21%) e a aveia (16%).

• O projeto 298-07 “Campo de Demonstração do ILP” Fernando Ribeiro Sichieri – UEM – PR, foi desenvolvido com finalidade de demonstrar tecnologia para ILP. Nas condições climáticas do Outono/Inverno do ano de 2007, proporcionaram o inicio do pastejo em Agosto como acontecido nos dois anos anteriores (Tratamento de Sobre-semeio de Tanz + Ruz. ) com a validação dos mesmos apenas em uma época de pastejo. Os tratamentos constituídos de forrageiras perenes, proporcionam pastejo com maior oferta de matéria seca, comparados a tratamentos com consorcio de Forrageiras anuais (Temperada). O tratamento de sobre-semeio de sementes tratadas e revestidas, comprovou por mais um ano, como economicamente viável, através da repetição de procedimentos recomendado pela pesquisa técnica em escala comercial, acarretando em resultados promissores e de grande eficiência dentro do sistema de Integração.

• No RS, o projeto 317-07 “ILP com Ovelhas e Azevem” Paulo Cesar de Faccio Carvalho – UFRGS, tem objetivo de avaliar o potencial conservacionista do sistema de ILP para proteção ambiental investigando o impacto dos diferentes sistemas (métodos e intensidades de pastejo na fase pastagem – tipo de rotação na fase lavoura) na dinâmica do C e do N no sistema solo-planta, na retenção do C e N no solo, e nas emissões dos principais gases de efeito estufa (GEE). As coletas de gases de efeito estufa foram acompanhadas por medidas de umidade, nitrato e amônio no solo, com o objetivo de identificar fatores controladores da emissão destes gases nestes sistemas de produção. Os resultados preliminares deste estudo indicam valores de emissão de N2O variando de 29,2 a 137,1 µg N-N20 m-2 h-1, CH4 de -43,1 a 98,2 µg C-CH4 m-2 h-1,e de CO2 de 103,2 a 375,1 mg C-CO2 m-2 h-1 . Embora o projeto ainda esteja muito em seu início, os resultados preliminares indicam haver marcantes diferenças entre os diferentes sistemas em estudo.

• No PR, o projeto 328-07 “Dinâmica de Decomposição e Umificação de Espécies de Inverno” Lutécia Beatriz Canalli – UFPR/FEBRAPDP, tem objetivo de estudar a dinâmica da decomposição e humificação de espécies de inverno e verão e sua contribuição no estoque de carbono e nitrogênio no SPD. As amostras dos agregados estão sendo tamizadas em água para a separação dos agregados em três diferentes classes e sendo posteriormente preparadas para a determinação do carbono e nitrogênio. A matéria seca dos “litter bags” foi determinada em cada tempo de coleta e o material foi moído em peneira de 1 mm para posterior análise das fibras (FDN, FDA, lignina e celulose) e dos carboidratos solúveis. A determinação das fibras e dos carboidratos deve ser realizada nos meses de janeiro e fevereiro, bem como as determinações de C e N nas amostras, de solo e de resíduos vegetais.

• No MT, o projeto 346-07 “Degradação do Solo sob Pastagens” Jefferson Silva Dantas – UNEMAT, tem como objetivo avaliar a relação entre a evolução da degradação de pastagens da região da Amazônia meridional com os diferentes anos de retirada da mata em latossolo vermelho-amarelo, e as modificações nas propriedades físicas e químicas deste solo sofridas nesta evolução, em uma avaliação de longa duração. Observou-se perda não muito grande de nutrientes com o passar dos anos da retirada de mata nativa, mas influente para o desenvolvimento lento de pastagens mais velhas e não manejadas corretamente. O aparecimento de alumínio, nas pastagens mais velhas (20 anos), indica um problema mais sério para o desenvolvimento da forragem destes locais. Os resultados parciais da física do solo mostram também degradação física com o passar dos anos em pastagem não manejada corretamente. Os resultados quando comparados com o solo da mata nativa, verifica-se a evolução da degradação dos solos, quando introduzidas pastagens, que então não sofreram e nem sofrem nenhum tipo de manejo desde sua implantação.

• Em SP, o projeto 360-07 “Ciclo do Carbono no Plantio Direto” Angelo Tegami Neto – IAC, tem por objetivo verificar o efeito do aporte de fitomassa de diferentes culturas de cobertura com doses de N, influenciando na estabilidade de agregados em água e no carbono orgânico do solo e o seu reflexo a produtividade da soja, visando à qualidade do solo no SPD. Os resultados obtidos no final do ano de 2007 estão sendo analisados estatisticamente. Espera-se que os resultados desse estudo possam contribuir com informações para o planejamento de rotação de culturas e de manejo de culturas de cobertura visando o aumento da retenção de carbono e a melhoria das propriedades físicas do solo no sistema de plantio direto.

• O projeto 365-07 “Bioindicadores Ambientais” Juliana de Oliveira Fernandes – UEL – PR, tem como objetivo avaliar a diversidade, densidade populacional, biomassa e riqueza de espécies de minhocas e formigas em ecossistemas (fragmento de mata, pastagem, cultivo de café e soja em plantio direto e convencional) e indicar as espécies, gêneros e famílias que melhor sinalizam o equilíbrio ecológico e a sustentabilidade dos sistemas de produção, em função do impacto de diferentes manejos sobre a macro fauna invertebrada do solo. Observou-se que 91,7% da densidade populacional total das minhocas coletadas e 86% da biomassa total pertenciam à Mata. O agro ecossistema que apresentou os menores valores foi o Plantio Direto, 0,28% e 1% respectivamente. Os demais sistemas não diferiram entre si. Com as informações até o momento, já é possível perceber que a intensidade da interferência humana no ecossistema diminui a densidade populacional, biomassa e diversidade dos organismos. Na prática, isto significa que ecossistemas agrários que utilizam o manejo tradicional do solo possuem maiores chances de terem o solo degradado e a cultura atacada por pragas, do que solos manejados de forma sustentável.

• Em SP, o projeto 389-07 “Gesso em Nitossolo” Estevão Vicari Mellis – IAC, tem objetivo de caracterizar e determinar a evolução do efeito de doses de gesso em alguns atributos químicos e físicos de um solo cultivado com cana-de-açúcar em sistema de plantio direto. O uso do gesso na cultura da cana pode proporcionar sensíveis ganhos de produtividade. Na dose de 20 t/ha de gesso, a cana produziu em média 20 toneladas a mais que no tratamento sem aplicação de gesso (dose 0). Porém, na dose de 40 t/ha observa-se que a produtividade não difere estatisticamente da dose zero. Conclui-se que é preciso estabelecer um novo método de recomendação de gessagem, mas é preciso ser bastante criterioso, pois a gessagem em excesso pode ser prejudicial à cultura.

• No PR, o projeto 406-07 “Pastagem Pós-Milho de Verão” Fernando Ribeiro Sichieri – UEM, irá pesquisar e avaliar sistemas de implantação da Bhachiária ruzizienisis em consórcio com a Cultura de Milho Verão, aferindo a real influencia sobre a produtividade de grãos, assim como o desempenho de produção de forragem. Viabilizar através das validações, sistemas com consistência de resultados, que produzam leite durante a entre safra, e proporcione palhada suficiente pós pastejo, para a prática do Plantio Direto da cultura de verão posterior. O Projeto foi implantado no dia 10 de Dezembro, com realização de todo o plantio do Milho e dos Tratamentos de ruzizienses em plantios simultâneos de consorcio. No começo de janeiro foram implantados os dois tratamentos faltantes, sendo estes o sobre-semeio de ruzizienses a lanço e o outro incorporado ao adubo de cobertura (incorporado ao solo).


ANEXO II

16 de Janeiro – Cerimônia de Posse do Prof. Antonio Roque Dechen, como Diretor da ESALQ.

19 de Janeiro – Cerimônia de Formatura na ESALQ, com entrega do Prêmio Agrisus ao estudante Gabriel Rodrigues Alves Margarido.

01 de Março – Lançamento na FENAC-S.Paulo do livro sobre Descobrimento da Biodiversidade de autoria do Dr. Evaristo Miranda, da Embrapa CNPM- Monitoramento por Satélite, Campinas.

16 de Março — Simpósio sobre Nutrição e Doença de Plantas na Agricultura Moderna, promovido pelo Inst. Internacional do Fósforo e Nitrogênio - IPNI, Piracicaba/SP.

19 de Abril – Palestra do Dr. Marcos S. Yank sobre “Ascensão Econômica da China e da India”, Inst. ICONE, Hotel Transamérica, São Paulo.

20 de Abril – Jantar no IAC em homenagem ao “Agrônomo do Ano 2007” – Eng. Agr° Marcos Yank.

24 de Abril – Divulgação, através de Circular, da 2a. Carta Aberta aos Agrônomos, de autoria do Pres. da Agrisus, conclamando os técnicos a se empenharem por uma agricultura sustentável apoiada no plantio direto.

29 de Abril – Cerimônia de Encerramento do Projeto Rally da Safra 2007, Bolsa de Mercadorias e Futuros, S. Paulo.

30 de Abril – Visita ao Agrishow 2007, tendo o Pres. da Agrisus apresentado a 2a. Carta Aberta aos Agrônomos, em reunião promovida pela APTA – Ribeiro Preto/SP.

07 de Maio – Cerimônia de entrega do X Prêmio Mérito Fitossanitário – IAC, Campinas.

19 de Junho – Semana do Meio Ambiente – Secr. Agric. e Abast. SP - APTA, Piracicaba, SP.

26 de Junho – Cerimônia de Posse do Dr. Marcos S. Yank na Presidência da ÚNICA, S. Paulo.

29 de Junho – Celebração dos 120 anos do IAC com entrega do Prêmio IAC 2007 – Produtor do Ano, ao Eng.Agr. José Peres Romero.

06 de Julho – Seminário de Reflorestamento, Centro da Cana e Agropecuária da Região de Piracicaba - CANAGRO.

17 de Julho – Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria Sulcroalcoleira - SIMTEC, Piracicaba/SP.

05 de Agosto – XXXI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, promovido pela Sociedade Bras. de Ciência do Solo — SBCS, Gramado/RS.

06 de Agosto – Aula inaugural da disciplina plantio direto da ESALQ, sobre “Sistemas de Prod. Agric. Sustentável.” ministrada pelo presidente da Agrisus.

27 de Agosto – 6° Congresso Brasileiro de Agribusiness da ABAG, S. Paulo, com entrega do “Título Personalidade do Agronegócio 2007”, ao Dr. Roberto Rodrigues.

29 de Agosto – Simpósio sobre Plantio Direto - Gestão Sustentável do Agronegócio, promovido pela FEBRAPDP, Ponta GrossalPR com presença do Ministro da Agricultura e homenagem à Agrisus.

10 de Outubro – Cerimônia de entrega do 52° Prêmio Fundação BUNGE em S.Paulo.

24 de Novembro – Cerimônia de Entrega do “Titulo de Cidadão Piracicabano”, ao Prof. Antonio Roque Dechen, pela Câmara Municipal de Vereadores.

27 de Novembro – IX Seminário Nacional de Milho Safrinha, promovido pela Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados/MS, com homenagem à Agrisus.

27 de Novembro – Cerimônia de 40 Anos do CATI, Secr. Agr. Abast. ESP, Campinas.

17 de Dezembro – Cerimônia de Entrega do Título de “Personalidade do Ano 2007 – Pec. Corte”, conferido pela Assoc. Bras. Criadores-ABC, ao Dr. Fernando Penteado Cardoso.

 VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br