JANEIRO 2019

Soja e outras plantas de verão em pleno crescimento.
Citros, café e cana de açúcar enfrentando limitações do clima.

 
 LANÇAMENTO BIOGRAFIA
 Busca
 
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo
(mla)
:: ALGODOEIRO SOBRE PLANTAS DE COBERTURA INOCULADAS
Em sistema de semeadura direta no cerrado, a manutenção da palhada no solo durante todo o ciclo do algodoeiro, que pode ultrapassar 200 dias, tem sido um grande desafio. Nessa condição, a persistência da palhada na superfície do solo deve ser alta, para que haja eficiência na proteção do solo.

Geralmente as palhadas com alta relação carbono:nitrogênio, provenientes de gramíneas, promovem maior proteção do solo devido a baixa taxa de decomposição, no entanto, podem promover a imobilização do nitrogênio (N), o que implicaria em necessidade de aumento da dose deste nutriente ou antecipação da primeira adubação de cobertura.

O algodão é uma das culturas que apresenta a mais baixa eficiência no uso de N, sendo o desfrute de 44%, consequentemente o restante pode ser aproveitado pela cultura seguinte ou perdido por volatilização, lixiviação, desnitrificação e nitrificação.

A baixa eficiência no uso de N revela a necessidade de otimização da fertilização, pois adubações exageradas, comuns na cotonicultura brasileira, podem ocasionar desequilíbrios nutricionais, crescimento exagerado, aumento na incidência de pragas, atraso no ciclo e contaminações ambientais.

Para ler a íntegra do relatório clique aqui

Fonte: Ana Luiza Dias Coelho Borin
Voltar VoltarImprimirEnviar para um amigo

Conveniada: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz - FEALQ 
Contato: agrisus@agrisus.org.br e agrisus@fealq.org.br